quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Ficções Nhárras com Bruno Morgado!

Era Dezembro de 1959 e caía neve em Nova Iorque... Eu e o meu grande amigo Bruno Morgado caminhávamos juntos pela 8ª avenida, paralela à Broadway, com os nossos fatos feitos à mão por um alfaiate Italiano que conhecemos em Franklin Square e com os nossos melhores sapatos du-colores pretos de ponteira branca. Enquanto desciamos a rua falávamos da sorte que tinhamos tido quando saimos da nossa terra natal, na ilha do Pico, para tentarmos a nossa sorte na terra das oportunidades e de como a nossa empresa de construção civil estava a crescer naquele mercado.
Chegámos a Nova Iorque em Março de 1952 apenas com a roupa que traziamos no corpo e uma vontade enorme de triunfar naquele mundo novo. Durante 2 anos trabalhámos arduamente, durante noite e dia, em fábricas de comida enlatada e na distribuição de pedras mármores numa pequena empresa de construção de uns emigrantes gregos. No final de 1954 já tinhamos ambos uma posição respeitável na empresa, pois passámos a comerciais e tratávamos dos negócios e contactos com o exterior. Recordo com saudade a passagem de ano 54/55 quando eu e o bruno já alcoolizados planeámos construir a nossa empresa, aproveitando os contactos que fomos adquirindo ao longo dos anos. Assim nasceu a Caeiro Morgado Construction Firm (CMCF). Durante os anos seguintes fomos crescendo pois conseguimos uns contratos com o Mayor Fiorello La Guardia para a construção do metroe quando chegámos a 1965 já eramos a empresa de emigrantes com maior sucesso nos Estados Unidos.
Voltando aquela tarde de neve em 1959... Eu e o Bruno parámos na Ben Benson's Steakhouse para comermos umas belas costoletas de novilho com batata doce e para bebermos duas Pepsi Colas. Enquanto comiamos e riamos da forma como tinhamos sido àgeis na nossa vida, reparei em duas lindas raparigas sentadas ao balcão, na casa dos 23 ou 24 anos que sorriam para nós. Com o seu ar gingão, o Bruno convidou aquelas duas raparigas de seios volumosos para nos fazerem companhia e acompaharem-nos naquela bela refeição. Estas aceitaram o pedido sem hesitar apresentaram-se. A morena de olhos azuis chamava-se Peggy e estava a estudar direito na Universidade de Harvard, enquanto a mais alourada, de nome Sue estudava jornalismo em Yale. Ficámos horas a conversar até que o bruno se lembrou que tinha uns bilhetes para um concerto naquela noite oferecidos pelo cliente muito importante. Sem pensar duas vezes convidámos as duas bonitas jovens para nos acompanharem e marcámos para as 21:00 junto ao teatro Paramount.
Quando chegou a hora elas apareceram com os seus melhores vestidos de gala e naquele momento, tanto eu como o Bruno sabiamos que aquelas iriam ser as nossas futuras esposas...



No mês passado encontrámo-nos todos na minha casa em Newark e recordámos esses velhos tempos...

2 comentários:

Hipnótico Menino Branco disse...

Eu acho que esta era uma vida que nao me importava de ter vivido!
Well done mate!

Pi* disse...

new york, new york... *