terça-feira, 21 de outubro de 2008

Memórias escondidas.

Há coisas mesmo estranhas... Hoje, após regressar de uma sessão de cinema parei o carro para conversar um pouco com o meu primo que me acompanhou no filme. Enquanto conversávamos decidi fazer uma vistoria ao porta-luvas do meu carro, quando me deparei com uma carta antiga que lá tinha deixado. Essa carta que em tempos já foi uma pequena carta de amor, cheio de sonhos e projectos a dois, hoje em dia não passa de um simples pedaço de papel com palavras que ficaram perdidas no tempo. É desanimador leres algo que no passado já te fez sorrir e acreditar que podia ser tudo verdade, tal e qual como está lá escrito e hoje saberes que tudo não passou de palavras, talvez sentidas, talvez fingidas. É nestes momentos que vemos que as palavras não são, na realidade, intemporais. Não passam de uma simbologia imposta para demonstrar sentimentos que por si só, não são também intemporais. Todo aquele papel que, num dia, já deu sentido a todo o meu mundo, hoje não passa de um simples e velho papel.

2 comentários:

Hipnótico Menino Branco disse...

PROMESSAS FEITAS PERDIDAS NO ÁÁÁÁR !!!!! hahahahah

Pi* disse...

palavras leva-as o vento! *****(the sun will shine again)