quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Se por acaso

Não sei o que me deu ontem à noite para começar esta nova caminhada na blogosfera. Sei que vou acabar, como já aconteceu anteriormente, por me envergonhar de metade das coisas que vou escrever, mas quero assumir este espaço como se de um filho tratasse. Quero ser espontâneo e acima de tudo verdadeiro.
Quero criar este espaço como um meio difusor de interesses pessoais e desenvolver formas de mostrar alguns produtos multimedia de proveito individual.

Nos ultimos tempos tenho andado a pensar naquilo que acabamos por pensar todos... o amor. O que será realmente o amor? Será que existe mesmo? Eu, como muitas pessoas, não sei se acredito se ainda existe aquele amor relacional que nos habituámos a ver no cinema e na musica. Nos dias que correm é cada vez mais dificil mantermos uma relação, acreditar nela e até mesmo lutar por ela. Gostamos de seguir o caminho mais fácil e fugirmos. Tornámo-nos, de certa forma, em amante descartáveis que sofrem e fazem sofrer, que choram e fazem chorar, que sentem mas não querem acreditar.

Ontem à noite lembrei-me de rever uma musica que um amigo meu me falou que retrata bem este assunto e as relações passadas. A música é do JP Simões, ex-vocalista dos Belle Chase Hotel com a magnifica Luanda Cozetti e retrata um reencontro entre dois ex-amantes. Espero que gostem.

1 comentário:

Pi* disse...

Às vezes é bom evergonharmo-nos das coisas... quer dizer q fomos verdadeiros e ñ nos escondemos por detrás de máscaras e sentimentos falsos.
O amor, (in)felizmente tds acabamos por acreditar no amor, até os mais negativistas... até nos arrancarem o coração e voltarmos ao ínicio e jurarmos a pés juntos q nunca mais caimos no mesmo. E eu sei lá...
Seremos tds descartáveis?
Kudos*